Venda de Filhotes de Cães de Raça Em Campinas SP - WalkerDog

Título: Centro Canino WalkerDog - Venda de Filhote de Cães de Raça
Criado em 25/05/2017 - Publicado em - Atualizado em 24/09/2021
Centro Canino WalkerDog
Centro Canino WalkerDog

Venda de Filhotes de Cães SOS-i Está querendo comprar um filhote de cão de raça e mora em Campinas SP? Conheça os filhoes de raça d SOS-i.

A SOS-i cria para venda filhotes de Pastor Alemão, Filhotes de Pastor Belga Malinois, Filhotes de Rottweiler, Filhotes de Doberman e Filhotes de Buldog Campeiro.

Nossos cães são selecionados para trabalho de faro e proteção, excelentes amigos da família, confiáveis com as crianças, mas protetores contra invasores, possuem adestramento, campo e pista de esporte para se exercitar e controlar energia, são criados junto de nossas crianças com total confiança, vacinas importadas e ração premium. Filhotes só são vendidos com atestado de saúde por veterinário.

curso adestramento

SHAPE DOG O PRIMEIRO ”SUPER-SUPLEMENTO CANINO AMERICANO” AGORA NO BRASIL!

SHAPE DOG PROMOVE MAIS SAÚDE! INDICADO PARA TODAS AS RAÇAS E TAMANHOS DE CÃES ACIMA DE 60 DIAS DE VIDA!

SHAPE DOG PELO & DERME, PELOS DO SEU CÃO BRILHANDO COMO DIAMANTE!

SHAPE DOG PREMIUM MAX + PELO & DERME, MELHORA O HUMOR E A DISPOSIÇÃO DO SEU CACHORRO!

SHAPE DOG PREMIUM MAX, FORTALECE A MUSCULATURA PROPORCIONANDO UMA VIDA LONGA E PROSPERA PARA SEU CÃO!

SHAPE DOG PELO & DERME, ATUA NA PREVENÇÃO DE PROBLEMAS DE PELE DO SEU CACHORRO!

SHAPE DOG PREMIUM MAX, COCÔ DO SEU CÃO MOLE E FEDIDO NUNCA MAIS!

shapedog nutrição canina

Venda de Filhote de Pastor Alemão em Campinas SP

A SOS-i vende filhotes de cães da raça Pastor Alemão. Caso tenha interesse em comprar um filhote de Pastor Alemão entre em contato conosco.

O Pastor Alemão Capa Preta é um dos cães mais inteligentes e é muito dedicado à sua missão. É uma raça muito versátil, devotado, leal e fiel aos donos. Convive muito bem com outros animais domésticos.

Eles são cães calmos e ficam ainda mais quando adultos. Não é um cachorro medroso, adora receber carinho e elogios da família. É um cão vigilante e alerta e pode ser um pouco reservado com estranhos. Caso não deseja tê-lo pra guarda, acostume-o desde cedo à presença de visitas e pessoas que ele não conheça.

O pasto alemão é um cão muito atento e tem um olfato invejável, por isso é muito usado pela polícia, sendo até chamado de “cão policial”. Na polícia ele é usado para ataque, rastrear drogas, buscar corpos em escombros e localizar pessoas desaparecidas.

O Pastor Alemão tem mais o perfil de defesa do que de ataque. Não deve ser criado pra atacar, pois pode se tornar muito violento. É uma raça que se dá bem com crianças e idosos, são pacientes e tranquilos.

Venda de Filhote de Pastor Belga Malinois em Campinas SP

Sempre alerta e em movimento, o Pastor Belga é bastante brincalhão, vigilante e protetor além de ser um cachorro muito forte. Ele pode ser indiferente com estranhos e alguns podem ser bravos e até avançar. Esta raça é inteligente e dócil mas independente. Ele é o protetor de sua casa e família. O pastor belga milanois é a raça mais utilizada pela polícia norte americana.

O Pastor Belga precisa de exercitar bastante, o que pode ser uma corrida longa ou um uma seção longa e cansativa de brincadeiras como correr atrás de uma bolinha. Ele precisa de espaço para se movimentar durante o dia e faz melhor e por isso será ótimo se tive um quintal grande. É necessário levar para escovar e pentear seus pelos duas vezes por semana. Sua pelagem dupla precisa escovar e pentear duas vezes por semana.

Adestramento de Pastor Belga Malinois: Pastor-belga Malinois é uma das quatro variedades da raça Pastor-Belga, originária da Bélgica. De pelagem curta, de cor fulvo-encarvoada, é nativo da região de Malinas e tido como um dos mais comuns entre os pastores belgas

Venda de Filhote de Rottweiler em Campinas SP

O Centro Canino WalkerDog vende filhotes de cães da raça Rottweiler. Caso tenha interesse em comprar um filhote de Rottweiler entre em contato conosco.

O Rottweiler é um cão amável e divertido, mas ao mesmo tempo ele é muito poderoso. Um adestramento de obediência de rottweiller adequado desde filhote e a socialização são extremamente necessários. Essa raça pode ser muito territorial e protetora de sua família e casa. Rottweilers podem ser bem intimidadores e ainda carregam a fama de serem bravos, mas eles são ótimos para famílias e podem ser muito dóceis também.

O Rottweiler tem um pêlo curto e brilhante, de fácil manutenção. Escovar regulamente para tirar o excesso de pelos mortos é suficiente para mantê-lo bonito. Dar banho com muita frequencia vai tirar a oleosidade natural de sua pele, causando sérios problemas dermatológicos.

Rottweilers adoram aprender e serão excelentes se tiverem oportunidade. Treino de obediência é essencial, já que essa raça pode se tornar bem destrutiva se não for estimulada. É preciso uma pessoa forte, firme e dominante quando for treinar esse cão poderoso. O Rottweiler é extremamente inteligente para adestramento e se sai muito bem em diferentes esportes, mas também pode ser teimoso. Ocupam o 9º lugar no ranking de inteligência canina.

Adestramento de Rottweiler: Rottweiler é uma raça canina desenvolvida na Alemanha. Cão criado por açougueiros da região de Rottweil para o trabalho com o gado, logo tornou-se um eficiente animal de guarda e pastoreio, além de ser útil na tração.

Venda de Filhote de Doberman em Campinas SP

O Centro Canino WalkerDog vende filhotes de cães da raça Doberman. Caso tenha interesse em comprar um filhote de Doberman entre em contato conosco.

O Dobermann é um cão de guarda inteligente e capaz, sempre alerta e pronto para proteger sua família e sua casa. Ele é um companheiro leal e aventureiro. Gosta de desafios mentais é uma dádiva de obediência como aluno. É sensível e muito receptivo aos desejos da família, embora alguns possam ser dominadores. Geralmente é desconfiado com estranhos.

Venda de Filhote de Buldog Campeiro em Campinas SP

O Centro Canino WalkerDog vende filhotes de cães da raça Buldog Campeiro. Caso tenha interesse em comprar um filhote de Buldog Campeiro entre em contato conosco.

O buldogue campeiro é uma raça canina originária do Brasil e que descende de antigos cães do tipo bulldog. O buldogue campeiro tornou-se um cão de trabalho adaptado às condições regionais.

Dados para contato e localização

SOS-i Treinamentos
Endereço: Rua da Várzea, 133 - Campo da Brazina - No Caminho para Serra e Litoral Gaúcho
Cidade: Araricá
Estado - País: Rio Grande do Sul - BRA
CEP: 93880000
Telefone: 55 (51) 9 9251-3668
Email : alexsandro0113@hotmail.com
Url:

Vídeos de Venda de Filhotes de Cães de Raça da SOS-i

Vídeo 04 WalkerDOG Cão salvando o dono de perigo

Sequestro com refém termina mau. Cães e homens juntos!

centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Raça centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Alemão 01 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Alemão 02 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Alemão 03 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Rotweiller 01 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Rotweiller 02 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Rotweiller 03 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Rotweiller 04 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Belga Malinois 01 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães dePastor Belga Malinois 02 centro canino walker dog - Venda de Filhotes de Cães de Pastor Belga Malinois 03 Dados de Campinas - SP
Area em km2= 795
Populacao = 1080113
PIB Per Capta = R$ 0

ETIMOLOGIA
Campinas é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo, Região Sudeste do país. Pertence à microrregião e mesorregião homônimas, distante 99 km a noroeste de São Paulo, capital estadual. Ocupa uma área de 797,6 km², da qual 238,323 km² estão em perímetro urbano e os 559,277 km² restantes constituem a zona rural.[11] Em 2018, sua população foi estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em 1 194 094 habitantes,[8] sendo o terceiro município mais populoso de São Paulo (ficando atrás de Guarulhos e da capital) e o décimo quarto de todo o país. Aparece em quinto lugar entre 100 municípios analisados pelo Índice das Melhores e Maiores Cidades Brasileiras, o BCI100, elaborado pela Delta Economics & Finance com base nos dados do Censo 2010 do IBGE e do Ideb.
HISTORIA
As áreas que hoje constituem o estado de São Paulo já eram habitadas pelo homem desde aproximadamente 12000 a.C.[20] Até a primeira metade do século XVIII, Campinas não passava de uma área ampla constituída por largas faixas de campos naturais, as quais eram designadas simplesmente por campinas, com áreas de mata atlântica fechadas ao redor, em especial nas regiões montanhosas. Naquela época, surgiu um bairro rural na Vila de Jundiaí (hoje Jundiaí) chamado "Mato Grosso", próximo a uma trilha feita por Bandeirantes do "Planalto de Piratininga" (a região da atual cidade de São Paulo) entre 1721 e 1730. Era a "Trilha dos Goiases", desbravadas por Bandeirantes e que seguia em direção às então recém-descobertas "Minas dos Goiases", no atual Estado de Goiás.[21][22] Assim o Bandeirante Fernão de Camargo promoveu a noroeste da Vila de São Paulo a instalação de um ponto de parada de tropeiros (chamado "Campinas do Mato Grosso" por ter sido erguido num desses campos naturais cercados por mata cerrada) era usualmente feita pelos Bandeirantes, que com isso permitiam ou facilitavam futuro reabastecimento de suas empreitadas desbravadoras, e por isso ao longo do tempo impulsionou comércio e atraiu moradores para o local Por volta do ano de 1772, os moradores daquela região reivindicavam a construção de uma capela, já que a igreja mais próxima do povoado situava-se em Jundiaí. A permissão foi concedida um ano mais tarde, demarcando-se, no dia 22 de setembro daquele ano, o local que seria destinado à construção da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, cujo nome foi recebido em homenagem à padroeira, escolhida por votação.[19] A dificuldade das obras daquele tempo fez com que fosse construída uma capela provisória, em 1774.[19] No dia 27 de maio desse ano, foi assinado um ato que dava a Francisco Barreto Leme do Prado o título de "fundador, administrador e diretor" do núcleo urbano a ser fundado. Em outro ato feito no mesmo dia, foi definida a medida das ruas e quadras, assim como a posição das casas, sendo esse o primeiro "plano urbanístico" recebido por Campinas. Poucas semanas depois, em 14 de julho de 1774, frei Antônio de Pádua, primeiro vigário da paróquia, rezou a missa que inaugurava a capela provisória coberta de palha e feita às pressas. A partir daí, instalou-se definitivamente a Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Campinas do Mato Grosso e fundou-se a povoação.[19][23] Em 14 de dezembro de 1797 Campinas foi emancipada[24] de Jundiaí, através de sua elevação à condição de vila, com o nome de Vila de São Carlos Povoamento Casa Grande e Tulha, conjunto arquitetônico de valor histórico, construído entre as décadas de 1790 e 1830. Está entre as primeiras edificações de Campinas. As áreas que hoje constituem o estado de São Paulo já eram habitadas pelo homem desde aproximadamente 12000 a.C.[20] Até a primeira metade do século XVIII, Campinas não passava de uma área ampla constituída por largas faixas de campos naturais, as quais eram designadas simplesmente por campinas, com áreas de mata atlântica fechadas ao redor, em especial nas regiões montanhosas. Naquela época, surgiu um bairro rural na Vila de Jundiaí (hoje Jundiaí) chamado "Mato Grosso", próximo a uma trilha feita por Bandeirantes do "Planalto de Piratininga" (a região da atual cidade de São Paulo) entre 1721 e 1730. Era a "Trilha dos Goiases", desbravadas por Bandeirantes e que seguia em direção às então recém-descobertas "Minas dos Goiases", no atual Estado de Goiás.[21][22] Assim o Bandeirante Fernão de Camargo promoveu a noroeste da Vila de São Paulo a instalação de um ponto de parada de tropeiros (chamado "Campinas do Mato Grosso" por ter sido erguido num desses campos naturais cercados por mata cerrada) era usualmente feita pelos Bandeirantes, que com isso permitiam ou facilitavam futuro reabastecimento de suas empreitadas desbravadoras, e por isso ao longo do tempo impulsionou comércio e atraiu moradores para o local.[23] Por volta do ano de 1772, os moradores daquela região reivindicavam a construção de uma capela, já que a igreja mais próxima do povoado situava-se em Jundiaí. A permissão foi concedida um ano mais tarde, demarcando-se, no dia 22 de setembro daquele ano, o local que seria destinado à construção da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, cujo nome foi recebido em homenagem à padroeira, escolhida por votação.[19] A dificuldade das obras daquele tempo fez com que fosse construída uma capela provisória, em 1774.[19] No dia 27 de maio desse ano, foi assinado um ato que dava a Francisco Barreto Leme do Prado o título de "fundador, administrador e diretor" do núcleo urbano a ser fundado. Em outro ato feito no mesmo dia, foi definida a medida das ruas e quadras, assim como a posição das casas, sendo esse o primeiro "plano urbanístico" recebido por Campinas. Poucas semanas depois, em 14 de julho de 1774, frei Antônio de Pádua, primeiro vigário da paróquia, rezou a missa que inaugurava a capela provisória coberta de palha e feita às pressas. A partir daí, instalou-se definitivamente a Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Campinas do Mato Grosso e fundou-se a povoação.[19][23] Em 14 de dezembro de 1797 Campinas foi emancipada[24] de Jundiaí, através de sua elevação à condição de vila, com o nome de Vila de São Carlos.[25] Formação administrativa e crescimento econômico Moagem de cana-de-açúcar na Fazenda Cachoeira, em Campinas. Benedito Calixto (1853–1927). Por volta do século XVIII, houve a chegada de vários fazendeiros oriundos de diversas cidades paulistas, como Itu, Porto Feliz e Taubaté. Esses fazendeiros procuravam terras para cultivarem lavouras de cana-de-açúcar e engenhos de açúcar, utilizando-se da mão de obra escrava que possuíam. De fato, também foi por motivação destes fazendeiros e do Governo da então Capitania de São Paulo que o bairro rural do Mato Grosso foi transformado em freguesia, depois em Vila de São Carlos (1797) e, posteriormente, em Cidade de Campinas (1842).[19] Até o final do século XVIII, a cana-de-açúcar era principal atividade de subsistência da região. Entretanto, naquela época, houve uma grande expansão das plantações de café. Os cafezais foram, com o passar do tempo, sendo cultivados no lugar da cana-de-açúcar, colaborando para um novo e rápido ciclo de desenvolvimento da região campineira, o que fez com que a cidade recebesse uma grande demanda de trabalhadores, inclusive escravos, oriundos de diferentes regiões do país, que eram empregados nas plantações e em atividades produtivas rurais e urbanas.[23] A partir desse crescimento, também ocorreu um processo de modernização dos meios de transporte e de produção em Campinas.[23] Após a emancipação política de Campinas, ocorreram várias divisões distritais no território do município. A primeira mudança ocorrida foi a criação do distrito de Valinhos (atualmente município de Valinhos), pela lei provincial nº 383, de 28 de maio de 1896.[19] Século XX Vista do Centro da cidade em 1880. Cartão postal colorizado do início do século XX do Largo da Matriz velha, atualmente conhecido como Largo do Carmo. A última alteração feita pela lei estadual nº 8092, de 28 de fevereiro de 1964, emancipando de Campinas o município de Paulínia. Atualmente o município é constituído por sete distritos (em ordem de criação): Campinas (distrito-sede), Sousas, Barão Geraldo, Joaquim Egídio, Nova Aparecida[19], Campo Grande e Ouro Verde. O distrito de Sousas foi criado pela Lei estadual nº 416 de 24 de julho de 1896; Barão Geraldo foi criado pela Lei estadual nº 2456 de 30 de dezembro de 1953; Joaquim Egídio foi criado pela Lei estadual nº 5285 de 18 de fevereiro de 1959; Nova Aparecida foi criado pela Lei estadual nº 8092 de 28 de fevereiro de 1964.[19] Campo Grande e Ouro Verde foram criados pelas Leis municipais 15.058 e 15.059, respectivamente.[26] Adicionalmente, o distrito-sede esteve no passado dividido em três subdistritos: Conceição, Santa Cruz e Vila Industrial, respectivamente 1º, 2º e 3º subdistritos[27]. A primeira metade da década de 1920 caracterizou-se pelo auge da produção cafeeira em grande parte do território paulista. Porém, no final dessa década, houve uma crise da economia cafeeira, atingindo grande parte do estado de São Paulo. A decadência da produção ocorreu pelo desgaste das terras da região, pelas geadas que acabavam com as lavouras, pela diminuição da exportação motivada pela alteração da qualidade do café, pela concorrência de outros países e pela crise econômica de 1929.[28] Com a crise do café, a volta da cana-de-açúcar e a troca pela indústria e prestação de serviços, o que fez com que a fisionomia da cidade deixasse de ser ruralista e passasse a ser mais urbanística. Para seu novo projeto de planejamento, recebido do chamado "Plano Prestes Maia", no ano de 1938, foi feito um grande conjunto de ações voltado a reordenar seu crescimento urbanístico. Devido a estas melhorias ocorridas, houve um novo período de vinda de migrantes e imigrantes, que foram atraídos pelo projeto da construção de um novo parque produtivo, que seria composto de fábricas, agroindústrias e diversos estabelecimentos comerciais.[23] Entre as décadas de 1930 e 1940, Campinas passou a ser marcada pelo desenvolvimento demográfico das redondezas das fábricas então instaladas, dos estabelecimentos e das grandes rodovias em implantação - como a Rodovia Anhanguera (1948), a Rodovia dos Bandeirantes (1978), a Rodovia Santos Dumont (década de 1980), a Rodovia Dom Pedro I, Rodovia Governador Ademar de Barros, a Rodovia Jornalista Francisco Aguirre Proença e a Rodovia Professor Zeferino Vaz (ou Tapetão), que é o principal acesso à REPLAN (Refinaria do Planalto Paulista) -, fato que fez com que Campinas se consolidasse como importante entroncamento rodoviário. Os novos bairros que foram criados nessas áreas não contavam, originalmente, com uma boa infraestrutura e planejamento, entretanto conseguiram, com o passar do tempo, uma melhor condição de urbanização entre as décadas de 1950 a 1990.[23] Período contemporâneo Vista do centro da cidade de Campinas em 2017. A partir de 1998, a cidade vem assistindo a uma mudança acentuada na sua base econômica: perde importância o setor industrial (com a migração de fábricas para cidades vizinhas ou outras regiões do país), e ganha destaque o setor de serviços (comércio, pesquisa, serviços de alta tecnologia e empresas na área de logística).[23] Desde a década de 2000, graças a investimentos públicos e privados, a cidade vem alcançando seu equilíbrio econômico e social, tornando-se um município cada vez mais competitivo perante a Região Metropolitana de Campinas. Leis de incentivos para empresas que se instalarem na cidade foram criadas e a obra de ampliação da Rodovia dos Bandeirantes, cujo trajeto passa pelo município, trouxe novas possibilidades de desenvolvimento.[23] Campinas é hoje a principal força econômica da Região Metropolitana de Campinas, apresentando uma boa qualidade de vida, como é possível comprovar através de seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH),[9] além disso os índices de desemprego e violência, apesar de não estarem nos mesmos índices de outrora, ainda continuam baixos se comparado a cidades vizinhas. Também se destacam um moderno parque industrial e tecnológico — fruto de um plano de instalação de "tecnopolos",[29] e renomadas instituições de ensino superior, como a Universidade Estadual de Campinas e a Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Também é em Campinas que se localiza o Laboratório Nacional de Luz Síncrotron e o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD).[23]
ECONOMIA
Algumas informacões sobre a economia e população da cidade. A cidade de Campinas localizada no estado de Sao Paulo tem uma área de 795 de quilometros quadrados. A população total de Campinas é de 1080113 pessoas, sendo 520865 homens e 559248 mulheres. A população na área urbana de Campinas SP é de 1061540pessoas, já a população da árae rual é de 18573 pessoas. A Densidade demográfica de Campinas SP é de 1358.63. A densidade demegráfica é a medida expressada pela relação entre a população e a superfície do território, geralmente aplicada a seres humanos, mas também em outros seres vivos (comumente, animais). É geralmente expressada em habitantes por quilômetro quadrado. Veja mais no link a seguir Densidade Demográfica Wikipedia. Outra informação que temos sobre a população de Campinas SP é que 19.28% tem entre 0 e 14 anos de idade; 72.25% tem entre 15 e 64 anos de idade; e 8.47% tem acima de 64 anos de idade. Conforme os dados, a maior população da cidade de Campinas localizada no estado de Sao Paulo são as pessoas de 15 a 64 anos de idade, ou seja, existem mais adultos no município. Em termos de ecnomia isso é bom pois tem mais pessoas trabalhando e gerando riqueza para o país. O Produto Interno Bruto de Campinas é o maior da Região Metropolitana de Campinas, o quinto do estado de São Paulo e o 13 de todo o país.[102] De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística relativos a 2016, o produto interno bruto do município era de 58 523 732,73 mil, reais,[102] sendo que 9 739 609,83 mil são de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes.[102] O produto interno bruto per capita é de 49 876,62 reais[102] e o Índice de Desenvolvimento Humano de renda é de 0,829. A agricultura é o setor menos relevante da economia de Campinas. De todo o produto interno bruto da cidade, 32 173 mil reais é o valor adicionado bruto da agropecuária.[102] Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em 2009, o município não contava com rebanho bovino ou suíno, possuindo apenas 54 610 aves, entre estas 48 310 galinhas e 6 300 galos, frangos e pintinhos.[104] Em 2009, a cidade produziu 410 000 dúzias de ovos de galinha.[104] Na lavoura temporária, são produzidos principalmente a cana-de-açúcar (92 000 toneladas), o milho (12 708 toneladas) e o tomate (3 820 toneladas).[105] Em Campinas, também destacou-se por bastante tempo o cultivo do café, que sempre foi uma das principais fontes de renda do município, sendo considerado como um polo regional da cafeicultura A região abriga mais de 10 000 empresas de médio e grande porte, muitas das quais entre as mil maiores e melhores do Brasil, segundo a revista Exame, tais como Honda, Toyota, Unilever, Mann+Hummel, 3M do Brasil, Bosch, Bridgestone, Pirelli, Dell, IBM, BASF, Dow Química, Villares, Ericsson, Singer, Goodyear, CPFL, Elektro, Valeo, Rigesa, International Paper, Nortel, Lucent, Samsung, Motorola, Medley, Cristália, Romi, Tenneco, General Electric, Texas Instruments, Mabe, Altana, Solectron, AmBev, Caterpillar, Bombardier, CAF e muitas outras. O pólo petroquímico é centrado no município de Paulínia, a poucos quilômetros de Campinas, junto à Refinaria do Planalto Paulista da Petrobrás (Replan) é a maior do Brasil uma das maiores da América Latina, e tem empresas como Dupont, Chevron, Shell, Exxon, Grupo Ipiranga, Eucatex, Rhodia, e outras. Também destacam-se as microempresas. No ranking brasileiro da formalização de microempreendedores individuais, Campinas figura no primeiro posto entre as cidades do interior do país. A região do Centro da cidade também concentra uma parcela bastante expressiva do comércio e dos serviços, destacando-se pelo comércio popular, sendo que há cabeleireiros, comércio varejista de vestuário e acessórios; lojas de variedades e comércio popular (ambulantes); artesãos e fornecimento de alimentos para consumo domiciliar.[113] Também nota-se em Campinas o Mercado Municipal de Campinas, inaugurado em 12 de abril de 1908 Atividades econômicas em Campinas - (2012).[101] O Produto Interno Bruto de Campinas é o maior da Região Metropolitana de Campinas, o quinto do estado de São Paulo e o 13 de todo o país.[102] De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística relativos a 2016, o produto interno bruto do município era de 58 523 732,73 mil, reais,[102] sendo que 9 739 609,83 mil são de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes.[102] O produto interno bruto per capita é de 49 876,62 reais[102] e o Índice de Desenvolvimento Humano de renda é de 0,829.[9] De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística], a cidade possuía, no ano de 2009, 46 362 unidades locais, 44 496 empresas e estabelecimentos comerciais atuantes e 780 390 trabalhadores, sendo 420 180 pessoal ocupado total e 360 210 ocupado assalariado. Salários juntamente com outras remunerações somavam 9 233 608 reais e o salário médio mensal de todo município era de 4,4 salários mínimos.[103] A principal fonte econômica está centrada no setor terciário, com seus diversos segmentos de comércio e prestação de serviços de várias áreas, como na educação e saúde. Em seguida, destaca-se o setor secundário, com complexos industriais de grande porte.[102] Rua 13 de Maio, principal via comercial do Centro da cidade. Praça de alimentação do Parque Dom Pedro Shopping, um dos maiores complexos comerciais da América Latina. Royal Palm possui um centro de convenções com o maior ballroom (salão nobre de eventos) do Brasil. A agricultura é o setor menos relevante da economia de Campinas. De todo o produto interno bruto da cidade, 32 173 mil reais é o valor adicionado bruto da agropecuária.[102] Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em 2009, o município não contava com rebanho bovino ou suíno, possuindo apenas 54 610 aves, entre estas 48 310 galinhas e 6 300 galos, frangos e pintinhos.[104] Em 2009, a cidade produziu 410 000 dúzias de ovos de galinha.[104] Na lavoura temporária, são produzidos principalmente a cana-de-açúcar (92 000 toneladas), o milho (12 708 toneladas) e o tomate (3 820 toneladas).[105] Em Campinas, também destacou-se por bastante tempo o cultivo do café, que sempre foi uma das principais fontes de renda do município, sendo considerado como um polo regional da cafeicultura.[106] O Instituto Agronômico de Campinas é o órgão de pesquisa da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Fundado em 1887 pelo imperador Pedro II do Brasil, hoje seu principal objetivo é desenvolver projetos que visem a melhoramentos na área da agricultura.[107] A indústria, atualmente, é o segundo setor mais relevante para a economia do município. 5 610 410 reais do produto interno bruto municipal são do valor adicionado bruto da indústria (setor secundário).[102] A cidade concentra cerca de um terço da produção industrial do estado de São Paulo.[108] Destacam-se as indústrias de alta tecnologia e o parque metalúrgico, sendo considerado a capital do Vale do Silício Brasileiro.[108] A região abriga mais de 10 000 empresas de médio e grande porte, muitas das quais entre as mil maiores e melhores do Brasil, segundo a revista Exame, tais como Honda, Toyota, Unilever, Mann+Hummel, 3M do Brasil, Bosch, Bridgestone, Pirelli, Dell, IBM, BASF, Dow Química, Villares, Ericsson, Singer, Goodyear, CPFL, Elektro, Valeo, Rigesa, International Paper, Nortel, Lucent, Samsung, Motorola, Medley, Cristália, Romi, Tenneco, General Electric, Texas Instruments, Mabe, Altana, Solectron, AmBev, Caterpillar, Bombardier, CAF e muitas outras. O pólo petroquímico é centrado no município de Paulínia, a poucos quilômetros de Campinas, junto à Refinaria do Planalto Paulista da Petrobrás (Replan) é a maior do Brasil uma das maiores da América Latina, e tem empresas como Dupont, Chevron, Shell, Exxon, Grupo Ipiranga, Eucatex, Rhodia, e outras.[109] A prestação de serviços rende 15 587 011 mil reais ao produto interno bruto municipal.[102] O setor terciário atualmente é a maior fonte geradora do produto interno bruto campineiro, destacando-se principalmente na área do comércio. A cidade possui diversos centros comerciais e shoppings centers, como o Campinas Shopping;[110] o Iguatemi Campinas;[111] e o Shopping Parque Dom Pedro.[112] Também destacam-se as microempresas. No ranking brasileiro da formalização de microempreendedores individuais, Campinas figura no primeiro posto entre as cidades do interior do país. A região do Centro da cidade também concentra uma parcela bastante expressiva do comércio e dos serviços, destacando-se pelo comércio popular, sendo que há cabeleireiros, comércio varejista de vestuário e acessórios; lojas de variedades e comércio popular (ambulantes); artesãos e fornecimento de alimentos para consumo domiciliar.[113] Também nota-se em Campinas o Mercado Municipal de Campinas, inaugurado em 12 de abril de 1908.[114] O Sindicato dos Comerciários de Campinas, Valinhos e Paulínia (SECCAMP), fundado em 15 de maio de 1941, representa e defende a classe comerciária de Campinas e das outras duas cidades em ações sindicais.[115]
TURISMO
A responsável pelo setor cultural de Campinas é a Secretaria Municipal de Cultura, que tem como objetivo planejar e executar a política cultural do município por meio da elaboração de programas, projetos e atividades que visem ao desenvolvimento cultural. Está vinculada ao Gabinete do Prefeito, integra a administração pública indireta do município e possui autonomia administrativa e financeira, assegurada, especialmente, por dotações orçamentárias, patrimônio próprio, aplicação de suas receitas e assinatura de contratos e convênios com outras instituições.[180] Esta área foi estruturada pela Lei Municipal 10.248, de 15 de setembro de 1999, sendo composta pelo Gabinete do Secretário Municipal de Cultura, pelo Departamento Administrativo, pelo Departamento da Cultura, pelo Departamento de Orquestra Sinfônica de Campinas e pelo Departamento do Sistema Municipal de Rádio e TV A cidade sempre teve uma posição destacada no estado de São Paulo com grande produção e recursos culturais. Conta com três teatros municipais, com a Orquestra sinfônica da cidade, vários grupos de música erudita, corais, 43 salas de cinema, dezenas de bibliotecas, galerias de arte, museus e editoras de destaque nacional.[181] Também é a terra natal de Antônio Carlos Gomes, famoso compositor de óperas na Itália do século XIX, com obras como O Guarani, Fosca e O Escravo, e da poetisa e escritora Hilda Hilst.[182] Santos Dumont também morou um tempo em Campinas e estudou no Colégio Culto à Ciência.[183] Também nasceram em Campinas o escritor Guilherme de Almeida,[184] Joaquim Egydio de Souza Aranha, o marquês de Três Rios, proprietário rural e político, por diversas vezes deputado por São Paulo, tendo ocupado a presidência de São Paulo, e o quarto presidente da República, Campos Sales Campinas conta com três teatros municipais, sendo eles o Centro de Convivência – espaço multiúso, que possibilita a realização de espetáculos de teatro, de dança, palestras, simpósios, conferências, exposições artísticas e outras áreas, que foi projetado pelo arquiteto Fábio Penteado, sendo inaugurado em 1976 e possuindo capacidade para aproximadamente cinco mil pessoas[186] – o Teatro Municipal José de Castro Mendes, fundado em 1976, adaptado a partir do prédio do antigo cinema da Vila Industrial, o Cine Casablanca, não possuindo traços arquitetônicos marcantes, além de estar em reformas sem previsão de acabamento desde 2007[187] – além do Teatro Infantil "Carlos Maia", localizado no interior do Bosque dos Jequitibás, possuindo capacidade para cerca de 150 pessoas e sendo projetado para atender a demanda do público infantil.[188] Dentre outros espaços dedicados à organização de eventos também destacam-se o Teatro Padre Pedro Dingenouts, também conhecido como Centro de Convivência Cultural da Vila "Padre Anchieta", que conta com uma sala de espetáculos com capacidade para 300 pessoas;[189] e o Auditório "Beethoven", que conta com uma capacidade de cerca de 2 mil lugares, sendo projetado para realização de eventos de pequeno a médio porte, ao ar livre.[190] Também havia o Teatro Municipal de Campinas, que foi inaugurado em 1930 e demolido em 1965 por razões desconhecidas 1 Toponímia 2 História 2.1 Povoamento 2.2 Formação administrativa e crescimento econômico 2.3 Século XX 2.4 Período contemporâneo 3 Geografia 3.1 Hidrografia 3.2 Clima 3.3 Ecologia e meio ambiente 4 Demografia 4.1 Composição étnica 4.2 Região Metropolitana 4.3 Pobreza e desigualdade 4.4 Religião 4.4.1 Cristianismo 5 Política 5.1 Cidades-irmãs 6 Subdivisões 7 Economia 8 Infraestrutura 8.1 Educação 8.2 Ciência e tecnologia 8.3 Saúde 8.4 Segurança pública e criminalidade 8.5 Habitação, serviços e comunicação 8.6 Transportes 8.6.1 Aeroviário 8.6.2 Ferroviário 8.6.3 Rodoviário 8.6.4 Urbano 8.6.5 Ciclovias 9 Cultura 9.1 Espaços teatrais e artes cênicas 9.2 Museus e pontos turísticos 9.3 Esportes 9.4 Feriados 10 Ver também 11 Referências 12 Ligações externas

Venda De Filhote De Caes Em Campina Do Monte Alegre Sp